segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Férias, "big brother" e crianças

Toda vez que recomeça o enriquecedor programa da Globo "Big Brother Brasil" dá uma revolta enorme. Como bem colocado pelo nosso colega Dan em seu blog, a começar pelo nome do programa, ele é todo um lixo. Mas não tem problema. É só mudar de canal.

No livro de George Orwell, "1984", é descrita uma sociedade sob governo totalitário, controlada por um só partido. Escrito em 1948, Orwell tenta prever como seria o futuro dos sistemas políticos, tendo em vista a situação do Mundo na época, em pleno início de Guerra Fria. No livro, o "Big Brother" é quem controla todas as ações das pessoas. Como no programa. Mas não tem problema. É só mudar de canal. (Ou, caso contrário, se você é adepto dos lemas do "Ministério da Verdade", como descrito no livro, assista.)

Acontece que não adianta mudar de canal! Recentemente, percebi que, injustamente, durante anos critiquei os programas e novelas da Globo. Apesar de continuar achando "Big Brother" e novelas globais um lixo, descobri que a Globo não é tão ruim assim. Isto porque os outros canais abertos (tirando a Rede Cultura) são piores ainda, e alguns, surpreendentemente, passam o dia falando o que passou ou vai passar na Globo.

O assunto era para ser "férias de verão e crianças". Mas acabou no Big Brother. Vejamos por quê.




Tenho visto que, cada vez mais, as crianças da cidade, independentemente de classe social, gastam seu tempo livre com videogames e televisão. Sem querer colocar em pauta os benefícios ou malefícios disso, o que se observa muitas vezes é a chamada "falta do quê fazer". Até porque, em geral, ninguém gosta de ficar preso em casa em frente ao computador ou à TV. Cabe aos pais e responsáveis buscar alternativas para as crianças saírem de casa para jogar bola, andar de bicicleta e se desenvolverem melhor. Não há desculpa. Nas férias, sempre há alguém disponível para levá-las. Caso contrário, como já dissemos, nem adianta mudar de canal, porque a mediocridade impera.

...

De noite, quando estão todos em casa, leiam um livro, ouçam uma música boa, assistam a um bom filme. Ou então, por que não ir à livraria folhear uns livros, ir ao cinema, ou mesmo, dar uma volta a pé? Se você está com crianças, o bom exemplo educa melhor que a proibição



4 comentários:

Dan disse...

Maravilhoso texto.
Passe no meu blog há um prêmio para você lá.
Abraços

Camila disse...

Bom, sobre Big Bother não posso dizer muita coisa, já que estou com uma vida digna de vestibulanda novamente e não tenho tempo, mesmo...Sobre as férias das crianças, concordo com tudo o que você escreveu! Me lembro de quando minhas sobrinhas eram crianças (hoje elas estão com 14 e 15 anos...) eu as levava sempre para atividades lúdicas mais ou menos perto daqui de casa: Sesc Pompéia, Parque da Água Branca, Estação Ciência... em todos esses lugares sempre havia alguma programação para as férias e MUITAS MUITAS MUITAS crianças afim de brincar! E é tão bom estar com crianças, brincar com elas, conversar e saber o que elas estão pensando ou sentindo...Se eu dia eu tiver filhos (você sabe dos meus altos planos, sobre o "Jorge", a "Gabriela"...)eu acho que eles serão sortudos, pois terão uma mãe que tem muito prazer real em estar na cia deles, sempre...Muitos pais são o contrário disso hoje em dia, não é?
Abraço
Camila

felício disse...

belo texto
concordo com tudo, ou quase

jackie.k disse...

Belo texto, e tbm concordo. A falta do que fazer não se limita as crianças, os adultos também não procuram alternativas de diversão longe da telinha e deste programa medíocre chamado Big Brother.
Todos os anos me sinto um peixe fora d'água, pois é o assunto principal de várias rodinhas de amigos que comentam as intrigas e fofocas do programa.
Enfim, prefiro um bom livro ou bons filmes na tv a cabo. E melhor, prefiro a companhia de pessoas inteligentes.
abraços