sábado, 27 de dezembro de 2008

Ano Novo com Rossini

No Ano Novo, nada melhor que ouvir Rossini - O Barbeiro de Sevilha.
Duas árias famosas. Uma do barítono Tito Gobbi, de 1946. Uma do baixo Robert Lloyd, de 1988.





Um 2009 sem muitas CALÚNIASS !!! ehehe

domingo, 21 de dezembro de 2008

Tabacaria

...

"o dono da Tabacaria chegou à porta e ficou à porta.
Olho-o com o desconforto da cabeça mal voltada
E com o desconforto da alma mal-entendendo.
Ele morrerá e eu morrerei.
Ele deixará a tabuleta, eu deixarei versos.
A certa altura morrerá a tabuleta também, e os versos também.
Depois de certa altura morrerá a rua onde esteve a tabuleta,
E a língua em que foram escritos os versos.
Morrerá depois o planeta girante em que tudo isto se deu.
Em outros satélites de outros sistemas qualquer coisa como gente
Continuará fazendo coisas como versos e vivendo por baixo de coisas como tabuletas,
Sempre uma coisa defronte da outra,
Sempre uma coisa tão inútil como a outra ,
Sempre o impossível tão estúpido como o real,
Sempre o mistério do fundo tão certo como o sono de mistério da superfície,
Sempre isto ou sempre outra coisa ou nem uma coisa nem outra.
Mas um homem entrou na Tabacaria (para comprar tabaco?)
E a realidade plausível cai de repente em cima de mim.
Semiergo-me enérgico, convencido, humano,
E vou tencionar escrever estes versos em que digo o contrário.

Acendo um cigarro ao pensar em escrevê-los
E saboreio no cigarro a libertação de todos os pensamentos.
Sigo o fumo como uma rota própria,
E gozo, num momento sensitivo e competente,
A libertação de todas as especulações
E a consciência de que a metafísica é uma conseqüência de estar mal disposto.

Depois deito-me para trás na cadeira
E continuo fumando.
Enquanto o Destino mo conceder, continuarei fumando.

(Se eu casasse com a filha da minha lavadeira
Talvez fosse feliz.)
Visto isto, levanto-me da cadeira. Vou à janela.

O homem saiu da Tabacaria (metendo troco na algibeira das calças?).
Ah, conheço-o; é o Esteves sem metafísica.
(O dono da Tabacaria chegou à porta.)
Como por um instinto divino o Esteves voltou-se e viu-me.
Acenou-me adeus, gritei-lhe Adeus ó Esteves!, e o universo
Reconstruiu-se-me sem ideal nem esperança, e o dono da Tabacaria sorriu."



Durante o ano que vem passaremos por momentos de angústia, dor, sofrimento e decepções. No entanto, o nosso desejo aos amigos é que, naqueles raros segundos de alegria, o tempo pare.

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Incompetência e perversidade

Quando se trata de educação, sabe-se que muitos erros são cometidos diariamente nas escolas e estabelecimentos educacionais do mundo todo, e isto não seria diferente no Brasil. Errar é humano. E na FEBEM, a atual Fundação CASA? Muitos erros? Sem dúvida. Afinal, errar é humano, e trabalhar na FEBEM, convenhamos - não deve ser nada fácil. Mas, nada justifica o que se descobriu semana passada.

Trechos da reportagem da Folha:

"Entidades de defesa dos direitos humanos e políticos visitaram simultaneamente 20 unidades da Fundação Casa e constataram casos de tortura, agressão e maus-tratos aos internos. Há relatos de espancamento, isolamento e constrangimento em unidades do interior e da capital do Estado. Adolescentes relataram que temiam punições após as visitas."

"Em uma unidade, representantes de entidades civis acompanhados do senador Eduardo Suplicy (PT) presenciaram seis adolescentes cumprindo um 'castigo'. Eles relataram aos visitantes que estavam 'presos' no quarto havia 11 dias em beliches sem colchão, sem poder conversar, sem banho de sol e sem passar pela comissão de avaliação disciplinar. 'A direção alegou que eles estavam envolvidos em casos de violência com outro interno. Mas nada disso foi comprovado', disse Aristeu Bertelli, da Comissão Teotônio Vilela de Direitos Humanos. De acordo com ele, o regimento prevê sanção de no máximo cinco dias, mas com atividades pedagógicas. 'Essas sanções acabam ocorrendo muito mais em decorrência de uma perversidade dos agentes da instituição do que efetivamente por algo cometido por um adolescente contra outro', declarou Givanildo da Silva, do Fórum Estadual de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente. Na mesma unidade, adolescentes relataram que funcionários utilizam uma espécie de enxada, apelidada de 'creusa', para ameaçá-los e agredi-los. Um deles estava com o braço fraturado. Em uma unidade do Brás, na capital, dez meninos disseram que apanharam de funcionários com cadeiras. Um deles tinha o dedo quebrado e outro, um corte na cabeça."



Mais detalhes em: http://infanciaurgente.blogspot.com/2008/12/visita-do-coletivo-em-defesa-dos.html

domingo, 14 de dezembro de 2008

Caetano

Uma amiga me falou que "Chico é o romancista da música brasileira e Caetano é o poeta".

Isso mesmo! Até porque, em certos instantes de angústia existencial, ela tem razão - cabe mais um Caetano. Ou melhor, dois:



terça-feira, 9 de dezembro de 2008

John, e Tom, e Salinger

Agradecendo a lembrança de um colega meu, não poderia deixar de postar sobre isso. Hoje, 8 de dezembro, são completados 28 anos da morte de John Lennon e 14 anos da morte de Tom Jobim. Dois compositores geniais.

Que me desculpem os fãs da bossa-nova, mas vou colocar apenas um vídeo em homenagem ao grande gênio de Liverpool.



Isto também porque, hoje mesmo, por coincidência, eu estava falando a respeito do livro "The Catcher in the Rye" (O Apanhador no Campo de Centeio) de J. D. Salinger. Ao lembrarmos da morte de John Lennon, sempre vêm à mente a história do jovem que o assassinou. Ele declarou tê-lo feito porque o livro teria dado a ele esta mensagem. Coisa de louco mesmo. Um dos maiores clássicos da literatura americana, o livro de Salinger serviu de inspiração a todo o movimento de contracultura dos anos 50 e 60, e tem passagens muito interessantes.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Chaplin, Simpsons e Internet

Uns dias atrás, entrei em contato com um belo texto atribuído a Charles Chaplin. Lido e interpretado por uma atriz conhecida minha e de enorme talento, emocionou-me. Hoje, resolvi pesquisar na Internet o texto na íntegra simplesmente para publicá-lo no blog. Quem diria! O texto não era de Chaplin. É de um autor brasileiro que o escreveu recentemente e começou a repassar na Internet. Apenas na última frase ele citou um pensamento de Chaplin. Mas é a velha história do telefone sem fio. Alguém tirou as aspas, e acabou que o texto todo passou a ser atribuído a Chaplin. Coisas da Internet.

O bonito texto e a história toda está resumida neste site: http://comoutrosolhos.multiply.com/journal/item/56

É engraçado, mas o texto agora parece que perdeu um pouco do seu charme, já que não é mais atribuído a Chaplin, o que me fez lembrar de um episódio dos Simpsons. Aquele em que a Lisa faz uma pesquisa sobre o patrono da cidade, Jebediah Springfield, e descobre que ele é uma fraude. No final, não tem coragem de causar uma desilusão ou revolta geral, e acaba não contando a verdade.

sábado, 29 de novembro de 2008

Lacuna

Há tempos que não posto.

Olha que não faltaram assuntos. Mas fim de ano é sempre meio corrido, e não dá tempo de escrever muito.

Por enquanto, vou falar um pouco das declarações do talvez mais importante escritor vivo da língua portuguesa, o Saramago, que está no Brasil divulgando seu mais novo livro.

Fiquei surpreso com o fato de ele ter voltado atrás na questão da Reforma Ortográfica. Era uma das vozes que se posicionavam contra a reforma, mas mudou de opinião. Disse agora que é importante para fortalecer politicamente o idioma. Será? Apesar de não gostar de contrariá-lo, acho que ele se engana.

Mas, de qualquer modo, fiquemos com um trecho de "O Ano da Morte de Ricardo Reis".

"Fernando Pessoa levantou-se do sofá, passeou um pouco pela saleta, no quarto parou diante do espelho, depois voltou, É uma impressão estranha, esta de me olhar num espelho e não me ver nele, Não se vê, Não, não me vejo, sei que estou a olhar-me, mas não me vejo, No entanto, tem sombra, É só o que tenho. Tornou a sentar-se, cruzou a perna (...) levantou-se, Vou-me chegando, Já, Bem, não julgue que tenho horas marcadas, sou livre, é verdade que a minha avó está lá, mas deixou de me maçar, Fique um pouco mais, Está a fazer-se tarde, você precisa descansar, Quando volta, Quer que eu volte, Gostaria muito, podíamos conversar, restaurar a nossa amizade, não se esqueça de que, passados dezasseis anos, sou novo na terra, Mas olhe que só vamos poder estar juntos oito meses, depois acabou-se, não terei mais tempo, Vistos do primeiro dia, oito meses são uma vida, Quando puder, aparecerei, Não quer marcar um dia, hora, local, Tudo menos isso, Então até breve, Fernando, gostei de o ver, E eu a si, Ricardo, Não sei se posso desejar-lhe um feliz ano novo, Deseje, deseje, não me fará mal nenhum, tudo são palavras, como sabe, Feliz ano novo, Fernando, Feliz ano novo, Ricardo."

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Sempre é bom lembrar

Neste ano de 2008 estamos comemorando os 60 anos da proclamação da Declaração Universal dos Direitos do Homem, pela ONU. Vejamos alguns trechos:

Artigo 19
Todo o homem tem direito à liberdade de opinião e expressão; este direito inclui a
liberdade de, sem interferências, ter opiniões e de procurar, receber e transmitir
informações e idéias por quaisquer meios, independentemente de fronteiras.

Artigo 26
I) Todo o homem tem direito à instrução. A instrução será gratuita, pelo menos
nos graus elementares e fundamentais. A instrução elementar será obrigatória.

II) A instrução será orientada no sentido do pleno desenvolvimento da
personalidade humana e do fortalecimento do respeito pelos direitos do homem
e pelas liberdades fundamentais. A instrução promoverá a compreensão, a
tolerância e amizade entre todas as nações e grupos raciais ou religiosos.

Também neste ano estamos comemorando os 20 anos da promulgação da nossa Constituição Federal, que, entre outras coisas, diz o seguinte:

Art. 205 - A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho.

Art. 206. O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios:
I - igualdade de condições para o acesso e permanência na escola;
II - liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pensamento, a arte e o saber;
III - pluralismo de idéias e de concepções pedagógicas, e coexistência de instituições públicas e privadas de ensino;
IV - gratuidade do ensino público em estabelecimentos oficiais;

V - valorização dos profissionais da educação escolar, garantidos, na forma da lei, planos de carreira, com ingresso exclusivamente por concurso público de provas e títulos, aos das redes públicas;
VI - gestão democrática do ensino público, na forma da lei;
VII - garantia de padrão de qualidade.

VIII - piso salarial profissional nacional para os profissionais da educação escolar pública, nos termos de lei federal.

Quem disse que as leis não prestam?

sábado, 15 de novembro de 2008

Pontos Corridos

Vamos para a tradicional conversa de boteco: o Campeonato Brasileiro. Desde o início do formato dos pontos corridos, nunca o campeonato esteve tão interessante, com tantos times com possibilidades de ganhar o título (apesar de o São Paulo estar mais próximo). O que só reforça a tese de que campeonato como o Brasileiro só pode ser por pontos corridos. Um sistema mais justo e, invariavelmente, mais emocionante.

A partir de 2003, os campeonatos da Série A e B passaram a ter esse formato, e também se acabaram as constantes "viradas de mesa" que faziam com que os clubes grandes deixassem de disputar a Segunda Divisão. Assim, após 5 anos, começa-se a observar um fenômeno muito presente nos países europeus: a disputa do título aos poucos vai se restringir a alguns poucos times fortes e raras exceções. Por exemplo, na Itália, o título é sempre disputado por Juventus, Inter e Milan. Essa concentração fez com que equipes historicamente fortes hoje estejam em segundo plano (como Genoa, Sampdoria e Torino).

Ainda é muito cedo para falar, mas, em seis anos de competição neste formato, o São Paulo esteve entre as cinco primeiras colocações em cinco oportunidades (2003, 2004, 2006, 2007 e 2008), o Santos em quatro (2003, 2004, 2006 e 2007), o Cruzeiro em três (2003, 2007 e 2008) e o Palmeiras em três (2004, 2005 e 2008). São, portanto, os times de melhor retrospecto nesses últimos seis anos. Por outro lado, Vasco, Botafogo e Atlético Mineiro ainda não disputaram as primeiras colocações. Poderia o sistema de pontos corridos limitar também no Brasil ao longo dos tempos o número de times considerados grandes? Se sim, é melhor que os clubes se preparam adequadamente para mudar esta lógica.

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Sobre ciência e Igreja

O assunto era "Galileu e o Papa". Mas falou-se um pouco dos gregos: do modelo geocêntrico ptolomaico e do modelo heliocêntrico de Aristarco. Afinal, as idéias gregas sobre astronomia influenciaram todos os pensadores e cientistas a partir de então.





Ambos os modelos passaram para a história, mas durante mais de um milênio somente um foi aceito: o modelo geocêntrico de Ptolomeu. Primeiro talvez por questão de bom senso: oras, a Terra deve ser o centro do Universo. Mas havia outros motivos.

Um deles é meramente científico: não se conseguiu observar na época a chamada "paralaxe estelar", que seria a diferença de ângulo na observação de uma estrela ao longo do tempo. Realmente, se considerarmos a posição de uma estrela vista da Terra em um dado instante, verificamos que certo tempo depois ela não é a mesma, em relação a um ponto fixo (ponto fixo que pode ser, por exemplo, outra estrela bem mais distante). Isto não poderia acontecer se fosse a Terra o centro do Sistema Solar, com o Sol girando em torno dela. Somente a órbita da Terra ao redor do Sol explica essa variação. Mas na época o fenômeno não pôde ser observado, até por falta de tecnologia. Daí, descartou-se o modelo de Aristarco.



Havia também o motivo religioso. Há passagens no Antigo Testamento que nos permitem afirmar que o Sol gira em torno da Terra. Somente na semana passada eu li um dos trechos a respeito - graças à pesquisa da minha aluna. Está em Josué, 10:

"Então Josué falou ao Senhor (...): sol, detém-se sobre Gibeom, e tu, lua, sobre o vale de Aijalom. E o sol se deteve, e a lua parou, até que o povo se vingou de seus inimigos. (...) O sol, pois, se deteve no meio do céu, e não se apressou a pôr-se, quase um dia inteiro."

Daí que ocorreu todo o problema com Galileu, já no século XVII, quando ressurgiu o modelo heliocêntrico. Galileu foi lá falar para os chefes da Igreja que eles não estavam interpretando de acordo a Bíblia. E daí vem a Inquisição, a negação dele e o lendário "eppur si muove".

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

"Yes, we can!!"

Nem a desgastante prévia entre os candidatos do partido Democrata nos EUA atrapalhou a derrota dos republicanos, algo que já se esperava desde o início do ano. É lógico que a crise imobiliária ajudou no voto anti-Bush, mas já havia um descontentamento e uma necessidade de mudança nos rumos da política e da sociedade norte-americana.

Além disso, alterações demográficas no território estadunidense foram fundamentais para um avanço dos democratas nos estados centrais. Aumentou o número de latinos e de jovens em alguns históricos redutos republicanos, o que poderia explicar uma alteração no resultado das eleições.

No entanto, apesar de ser perfeitamente imaginável uma derrota do candidato de Bush, não se imaginaria, há pouco tempo atrás, a vitória de um negro numa eleição para presidente dos EUA. Uma vitória simbólica: depois dela, não há dúvidas que a história dos Estados Unidos no século XXI tomará um rumo novo.

E outra coisa. Vendo o triunfo de Obama, não dá para não se lembrar do que Martin Luther King disse há 45 anos.



domingo, 2 de novembro de 2008

Maradona treinador

Sempre causa estranheza ver uma pessoa desempenhar uma função para a qual não tem a mínima experiência prévia. Logo, a designação de Dunga para técnico da Seleção Brasileira não agradou a maioria dos fãs. O mesmo aconteceu nesta semana com a chegada de Maradona para comandar a Seleção Argentina.

Algumas profissões requerem experiência prévia e anos de estudo. Afinal, quando alguém precisa de uma intervenção cirúrgica, confia mais em um médico que tenha estudado vários anos, que tenha muita experiência e seja especialista naquilo que faz. O mesmo ocorre na educação. Um professor sem estudo não presta para nada. E assim por diante.

Mas, convenhamos, em relação ao futebol não se pode dizer o mesmo. No futebol, a emoção fala mais alto que a razão, e a presença de um dos maiores jogadores da história (mesmo nunca tendo sido um exemplo de atleta) no banco da Seleção Argentina será emocionante para os amantes do futebol. Ainda mais depois de tudo que ele passou nos últimos anos.


domingo, 26 de outubro de 2008

Outra vez Leo Minosa

Seis meses atrás, coloquei uma postagem sobre o sensacionalismo da imprensa na cobertura do caso da menina Isabela. Hoje, voltamos ao mesmo tema para discutir o seqüestro e assassinato da menina Eloá. Mais uma vez, em uma entrevista no Estadão deste domingo, o jornalista Eugênio Bucci faz menção ao filme "A Montanha dos Sete Abutres" de 1951 para mostrar que vivemos mais do que nunca em uma "sociedade do espetáculo", no dizer do esudioso francês Guy Debord.

A transformação de tudo em espetáculo e imagem faz com que as pessoas tenham medo de serem condenadas à invisibilidade e ao anonimato. O crime pode tornar-se, então, uma forma de ser mais visível e de ingressar à força no mundo que sempre excluiu o criminoso.

Portanto, deve-se economizar na mistificação e não deixar que certas situações mostradas pelas imagens possam tornar célebre o criminoso. Não pode mais haver superexposição nem espetáculo num assunto desses! Muito menos, jornalistas interferindo no trabalho dos policiais. Caso contrário, a imprensa jornalística deixa de cumprir seu papel informativo.

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Ainda sobre Marta x Kassab

Segue uma tabela com a porcentagem de votos do primeiro turno por zonas eleitorais. Pode dar origem a um debate interessante.





terça-feira, 21 de outubro de 2008

Eleições - segundo turno



Para entender melhor o panorama eleitoral de São Paulo, vamos fazer uma pequena retrospectiva das últimas eleições para prefeito:
1988 - vitória do PT (Erundina) contra o malufismo
1992 - vitória do malufismo
1996 - vitória do malufismo (desta vez com Pitta)
2000 - vitória do PT (Marta) contra o malufismo
2004 - declínio do malufismo, polarização PT x PSDB (seguindo o panorama federal)

Se analisarmos com mais profundidade ainda, veremos que os votos em São Paulo sempre se dividiram entre tucanos, petistas e Maluf. O que está ocorrendo este ano é que a candidatura do Kassab conseguiu assimilar todos os simpatizantes do Maluf e também a grande maioria do eleitor tucano, inclusive o tucano "covista", simpatizante de Mário Covas. Haveria aí alguma contradição, tendo em vista que as vitórias do PT em 1988 e 2000 contaram com o apoio de Covas, contra o malufismo?

Considerando o perfil dos seus eleitores, portanto, Kassab hoje consegue ser um meio-termo entre Maluf e Covas, duas das maiores figuras políticas de São Paulo nos anos oitenta e noventa. Ainda, com o projeto Cidade Limpa e com o fechamento de casas noturnas e similares, Kassab, híbrido, parece às vezes também com uma outra figura política paulistana de destaque: Jânio. Por isso, dificilmente perde a eleição.

É certo que a campanha da ex-prefeita Marta deixou demais a desejar. Sim, porque apesar de não ser uma figura muito simpática, o seu governo (2001-2004) teve realizações muito grandes. É só pensar em alguns avanços no transporte público (bilhete único, corredores de ônibus, alteração da frota) ou na educação (CEUs, capacitação de professores). Um governo com boa aprovação, sobretudo na periferia e nas regiões mais pobres. Mas Marta está errando demais. Por exemplo, quando disse que se arrependeu das taxas que fez, ou então ao não ter coragem de posicionar-se definitivamente como candidata de esquerda e ligada à questão social.

Aliás, convenhamos, as propostas dos dois candidatos são tão parecidas que não parece que a eleição é entre um candidato do PT e outro do PFL.

Mas, vamos ao que interessa: o Legislativo. Passada a eleição para vereadores, o que realmente preocupa é o fato de a Câmara quase não ter se renovado. O chamado "Centrão" vai continuar em peso. E as novidades não nos deixam nem um pouco animados: Chalita, Netinho, Marco Aurélio "Bambi" Cunha , entre outros...

sábado, 18 de outubro de 2008

Intervenção Urbana

O artista Eduardo Srur já fez várias exposições na ruas cidade de São Paulo. Entre elas, talvez a mais famosa de todas foi quando colocou garrafas PET gigantes iluminadas nas margens do Tietê e Pinheiros. Agora, dá início a uma nova exposição. Serão enormes coletes salva-vidas a serem colocados em 16 estátuas da cidade. A idéia é despertar a reflexão do paulistano, através de uma intervenção provocadora e inusitada. Afinal, precisamos pensar em "salvar" o patrimônio histórico da cidade. Válido.

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Machado de Assis: 100 anos

Machado de Assis (1839-1908) é considerado por muitos o maior escritor brasileiro de todos os tempos e um dos maiores do mundo. Romancista, contista, poeta e teatrólogo. Gago, epilético, órfão de pai e mãe, mulato, de origem humilde. Autodidata, através de seu empenho tornou-se um dos maiores intelectuais do país ainda jovem.

Precursor do realismo no Brasil, suas obras tinham como algumas características a ironia, o pessimismo, a introspecção, a digressão e a presença constante de personagens esféricos.




"Deixa lá dizer Pascal que o homem é um caniço pensante. Não; é uma errata pensante, isso sim. Cada estação da vida é uma edição, que corrige a anterior, e que será corrigida também, até a edição definitiva, que o editor dá de graça aos vermes".

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Eleições

Há anos que ouço o chavão: "político é tudo a mesma coisa, tudo corrupto".

Em parte. Tem muita gente séria e competente, mas reconheço que neste ano o horário eleitoral está um "show de horrores", e pela primeira vez não consegui encontrar um candidato a vereador que me agrade muito. Mesmo procurando bastante na Internet, achei alguns candidatos que parecem interessantes pelo seu histórico, mas não têm proposta alguma!

Quanto à prefeitura, já tenho candidato, mas sinceramente não acredito que exista grande diferença entre os candidatos a prefeito.

A eleição que realmente interessa é para o Legislativo, e é sempre a que todos colocam em segundo plano. Acho até que um dos pontos da Reforma Política seria o de separar as eleições do Legislativo das do Executivo, o que poderia tornar o debate mais qualificado (quem dera!).

Boa eleição a todos!!

terça-feira, 30 de setembro de 2008

A "escola-prisão"

Segundo Foucault, o poder disciplinar tem como função maior adestrar o indivíduo e, para tanto, utiliza-se de certos instrumentos. Um desses instrumentos é a chamada “vigilância hierárquica”, segundo a qual os indivíduos passam a ser controlados e fiscalizados com maior eficiência através do olhar constante dos seus superiores. Torna-se comum o surgimento de locais aparelhados com o intuito de facilitar tal controle. Assim, o poder disciplinar mantém-se mais integrado e eficaz, regendo-se silenciosamente pelo jogo de olhares e fazendo com que as multidões confusas se tornem multiplicidades organizadas. A escola faz parte desse contexto, assim como o Ateneu:

“A sala geral do estudo tinha inúmeras portas. Aristarco fazia aparições de súbito a qualquer das portas, nos momentos em que menos se podia contar com ele. Levava as aparições às aulas, surpreendendo professores e discípulos. Por meio deste processo de vigilância de inopinados, mantinha no estabelecimento por toda a parte o risco perpétuo do flagrante como uma atmosfera de susto".

Outro recurso da disciplina é o seu pequeno mecanismo penal, dotado de peculiares características. O sistema de penalidades e punições do regime disciplinar rege-se, antes de tudo, pelo sistema de gratificação-sanção, através do qual todas as condutas são qualificadas a partir de valores maniqueístas. Isto faz com que o poder disciplinar hierarquize e julgue os indivíduos através de suas condutas. No Ateneu também está presente esse sistema de recompensas:

“A cada lição julgada boa, o professor assinava um papelucho amarelo, bom ponto, e entregava ao distinto. Dez prêmios destes equivaliam a um cartão impresso, boa nota, como dez vezes vinte réis em cobre valem um níquel de duzentos”.

No romance também podemos notar exemplos de punições às consideradas condutas inadequadas, as quais vão desde ajoelhar-se no chão e fazer exercícios de escrita, até ser preso na chamada cafua. Sérgio descreve-nos:

“O chão era de terra batida, mal enxuta. Impressionava logo um cheiro úmido de cogumelos pisados. Com a meia claridade dos respiradouros, habituando-se a vista, distinguia-se no meio uma espécie de gaiola ou capoeira de travessões fortes de pinho. Dentro da gaiola um banco e uma tábua pregada, por mesa. Sobre a mesa um tinteiro de barro. Era a cafua. Engaiolava-se o condenado na amável companhia dos remorsos e da execração; ainda em cima, uma tarefa de páginas para a qual o mais difícil era arranjar luz bastante."



O mecanismo penal do sistema disciplinar marca os indivíduos e estabelece os chamados “desvios”, ou seja, aqueles que não conseguem se adaptar ao sistema e servem de referência negativa em relação aos demais. A disciplina, deste modo, procura ao máximo tornar submissos e homogêneos os indivíduos controlados, através da chamada “sanção normalizadora”. No dizer de Foucault:

“distribuir os alunos segundo suas aptidões e seu comportamento, portanto segundo o uso que se poderá fazer deles quando saírem da escola; exercer sobre eles uma pressão constante, para que se submetam todos ao mesmo modelo, para que sejam obrigados todos juntos ‘à subordinação, à docilidade, à atenção nos estudos e nos exercícios, e à exata prática dos deveres e de todas as partes da disciplina’. Para que, todos, se pareçam.”

O ponto máximo dos dispositivos disciplinares, no entanto, é o exame. Ele combina as técnicas da vigilância com a sanção normalizadora. O exame controla os indivíduos através de sua qualificação e classificação. Para os alunos, torna-se algo assustador, e não é diferente com Sérgio:

“A estréia do primeiro exame foi de fazer febre. Três dias antes pulavam-me as palpitações; o apetite desapareceu; o sono depois do apetite; na manhã do ato, as noções mais elementares da matéria com o apetite e com o sono.”

Os principais mecanismos dessa forma de poder disciplinar manifestam-se no Ateneu. O exame é o poder que se exerce de maneira invisível, tornando visíveis os súditos, oferecidos como objetos aos olhos do público e do examinador.

Outra característica do exame, além de submeter os indivíduos ao olhar dos demais é a documentação extensiva da individualidade. Nas palavras de Foucault:

“O exame que coloca os indivíduos num campo de vigilância situa-os igualmente numa rede de anotações escritas; compromete-os em toda uma quantidade de documentos que os captam e os fixam. Os procedimentos de exame são acompanhados imediatamente de um sistema de registro intenso e de acumulação documentária”.

Enfim, toda a base de poder disciplinar deste sistema educacional fabrica, como foi possível observar, alunos oprimidos, amargurados e, muitas vezes, vingativos.



Por um modelo de educação que não pode persistir...

terça-feira, 23 de setembro de 2008

Primavera

Chegou a primavera!!
Primavera de Vivaldi. Herbert von Karajan dirigindo a Filarmônica de Berlim, com Anne-Sophie Mutter no violino:


E já que o assunto é primavera, não tem nada a ver, mas já que tem "primavera" no nome, vai um trecho também da "Sagração da Primavera" de Stravinsky. Aqui no belo desenho da Disney, Fantasia, de 1940.

sábado, 20 de setembro de 2008

A "escola-quartel"

Por um modelo de educação que não pode persistir...


Para Foucault, os processos disciplinares tornam-se formas gerais de dominação a partir dos séculos XVII e XVIII. Buscam aprofundar a sujeição do corpo humano ao mesmo tempo em que aumentam suas habilidades, tornando o corpo simultaneamente submisso e exercitado, através de determinados recursos e técnicas.

Percebe-se, na leitura do romance “O Ateneu” de Raul Pompéia, a presença das principais características que Foucault enumera a respeito da disciplina. A própria estrutura do internato é exemplo disso. No dizer de Foucault:

“A disciplina às vezes exige a cerca, a especificação de um local heterogêneo a todos os outros e fechado em si mesmo. (...) o internato aparece como o regime de educação senão o mais freqüente, pelo menos o mais perfeito”.

A disciplina, além de cercar os indivíduos, também os distribui de modo que cada um tenha seu lugar próprio e exerça uma função específica. É a chamada técnica do quadriculamento, que faz com que os indivíduos possam ser mais bem controlados e render mais. Outro exemplo dessa técnica de distribuição que pode ser aplicado ao estudo do Ateneu diz respeito à subdivisão nas classes e à posição na fila. Nesse sentido, há um forte contato entre os textos de Foucault e Pompéia:

“Nos colégios dos jesuítas, encontrava-se ainda uma organização ao mesmo tempo binária e maciça: as classes, que podiam ter até duzentos ou trezentos alunos, eram divididas em grupos de dez; cada um desses grupos, com seu decurião, era colocado em um campo, o romano ou o cartaginês; a cada decúria correspondia uma decúria diversa”. (“Vigiar e Punir”, Michel Foucault)

“Por amor da regularidade da organização militar, repartiam-se as três centenas de alunos em grupos de trinta, sob o direto comando de um decurião ou vigilante. Os vigilantes eram escolhidos por seleção de aristocracia, asseverava Aristarco. (...) Estes oficiais inferiores da milícia da casa faziam-se tiranetes por delegação da suprema ditadura. Armados de sabres de pau com guardas de couro, tomavam a sério a investidura do mando e eram em geral de uma ferocidade adorável”. ("O Ateneu", Raul Pompéia)



Além da técnica da repartição espacial, uma outra característica da disciplina é o controle e codificação das atividades, através dos quais cada ato deve ter sua elaboração temporal, todos os gestos devem ser articulados e o tempo não pode ser desperdiçado. Elementos de uma disciplina militar, como a “marcha” e a “manobra”, fazem-se presentes no Ateneu, como podemos notar no seguinte trecho, em que o personagem Sérgio descreve uma apresentação de ginástica dos alunos:

“Depois de longa volta, a quatro de fundo, dispuseram-se em pelotões, invadiram o gramal, e, cadenciados pelo ritmo da banda de colegas, que os esperava no meio do campo, com a certeza de amestrada disciplina, produziram as manobras perfeitas de um exército sob o comando do mais raro instrutor. Diante das fileiras, Bataillard, o professor de ginástica, exultava, envergando a altivez do seu sucesso na extremada elegância do talhe, multiplicando por milagroso desdobramento o compêndio inteiro da capacidade profissional, exibida em galeria por uma série infinita de atitudes”.

Nota-se que o Ateneu, portanto, no dizer do narrador, está repleto de elementos que nos remetem a uma organização militar. Mas não é só. O colégio tem também características disciplinares que nos fazem lembrar uma verdadeira prisão...

terça-feira, 16 de setembro de 2008

Semana agitada nas Américas

A crise econômica nos EUA, uma das maiores de toda a História é assunto de grande importância em todo o mundo, pois suas implicações atingem toda a economia global. A crise política na Bolívia é de se preocupar também, tanto que forçou uma reunião extraordinária de chefes latino-americanos no Chile para esfriar o conflito entre governo e oposição no país de Evo Morales.

No entanto, uma das notícias mais impactantes da semana é o pedido feito pelo governo cubano para que os EUA suspendam temporariamente o embargo econômico presente nas relações entre americanos e cubanos desde 1962, um pouco depois da chegada de Fidel Castro ao poder. Isso porque nos últimos dias dois furacões provocaram um prejuízo avaliado em milhões de dólares na ilha. Quem sabe não é o início de uma nova era nas Américas?

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

LHC - O Fim do Mundo

Entrou em funcionamento hoje na Suíça o maior experimento da História da Física: o Large Hadron Collider (LHC), o maior acelerador de partículas do mundo. O projeto, envolvendo dez mil cientistas do mundo todo, tentará recriar as condições que existiam no momento seguinte ao Big Bang, para tentar desvendar algumas das questões mais misteriosas do Universo. Mas alguns acreditam que há a possibilidade de o experimento dar errado e provocar a formação de um buraco negro. Ou seja, o mundo pode acabar!!!

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Raposa / Serra do Sol



A recentemente homologada Terra Indígena Raposa Serra do Sol está vivendo uma série de conflitos, sobretudo após o início das tentativas de retirada dos não-índios da região. A partir de então, são protagonistas das disputas internas grupos de interesses muito diversos como alguns grupos religiosos, tribos indígenas, arrozeiros, madeireiros, pequenos proprietários, FUNAI, Incra, Ibama, chefes políticos locais, entre outros...

Resta saber se o governo terá força para manter sua posição de demarcação contínua das Terras Indígenas na região. Mas há controvérsias em relação a tal demarcação, já que não se sabe em até que ponto esta demarcação é benéfica aos povos indígenas, até porque alguns povos indígenas da região estão aliados a arrozeiros. Quadro difícil de ser analisado, especialmente por quem é do Centro-Sul.

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Justiça afasta do cargo presidente da Febem

Saiu na Folha de São Paulo:

"A Justiça de São Paulo determinou nesta quinta-feira o afastamento do cargo da presidente da Fundação Casa (antiga Febem), Berenice Maria Giannella. A decisão é da juíza Mônica Ribeiro de Souza Paukoski, do Deij (Departamento de Execuções da Infância e Juventude), e teve como base dois processos administrativos de apuração de irregularidades na unidade 37, do Complexo Raposo Tavares, e da unidade Tietê, do Complexo Vila Maria, e foi fundamentada no artigo 97 do ECA"

"A decisão é fundamentada em irregularidades na manutenção de adolescentes sujeitos a medida sócio-educativa em situação de "mero confinamento, ociosidade e segregação punitiva", sem implementação de atividades pedagógicas mínimas e medidas para coibir a violência contra os internos."

Jean-Jacques Rousseau

Jean-Jacques Rousseau (1712-1778) foi um dos pensadores mais importantes do século XVIII e do Iluminismo francês. Suas teorias sobre política e educação influenciaram tudo o que se escreveu a respeito a partir de então.

Sobre educação, vale destacar seu tratado pedagógico, o "Emílio", obra considerada um marco na pedagogia contemporânea. Rousseau centralizou os interesses pedagógicos no aluno e não mais no professor. Mais que isso, ressaltou a especificidade da criança.

Infelizmente, há quem não leva em conta o que se escreveu há 200 anos atrás, postura, no mínimo, ignorante.



"A natureza quer que as crianças sejam crianças antes de ser homens. Se quisermos perturbar essa ordem, produziremos frutos precoces, que não terão maturação nem sabor e não tardarão em corromper-se; teremos jovens doutores e crianças velhas. A infância tem maneiras de ver, de pensar, de sentir que lhe são próprias; nada menos sensato do que querer substituí-las pelas nossas; e seria o mesmo exigir que uma criança tivesse cinco pés de altura do que juízo aos dez anos. Com efeito, que lhe adiantaria ter razão nessa idade? Ela é o freio da força, e a criança não tem necessidade desse freio."

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

ENEM

Neste domingo, tem ENEM! O Exame Nacional do Ensino Médio é feito todo ano por estudantes de todo o país há dez anos. Diga-se de passagem, é um exame muito bem elaborado. Privilegia o raciocínio e a interpretação, e não se atém a fórmulas ou decorebas. Aliás, muitos até chegam a dizer que o aluno que sabe ler, escrever e trabalhar com as quatro operações matemáticas consegue resolver noventa por cento das questões, e, portanto, não precisaria nem estar no Ensino Médio.

Muito bem. Ocorre que os resultados estão sempre aquém do esperado, em relação tanto a alunos oriundos da escola pública, quanto da escola particular. Um quadro difícil de ser revertido a curto e médio prazo, embora não impossível.

No entanto, o que mais tem angustiado os profissionais da educação e os que lutam por uma educação de qualidade, no que diz respeito ao ENEM, são os rankings que são elaborados anualmente e que divulgam o desempenho de cada escola no exame. Por um lado, é interessante saber como os alunos de determinadas escolas se saem no ENEM. Por outro lado, isto tem causado uma série de problemas nas escolas, sobretudo nas particulares de muita tradição.

Conta-se que em uma escola tradicional da capital paulista os alunos considerados mais fracos estão sendo desencorajados de fazerem a prova, a fim de que a média da escola no ranking seja alta, o que não aconteceu nos últimos anos. Nem todos se lembram de que educação não é mercadoria...

terça-feira, 26 de agosto de 2008

Los Hermanos




"eu que já não quero mais ser um vencedor..."

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

STF veta nepotismo

Por unanimidade, o Supremo Tribunal Federal vetou o nepotismo nos três poderes, através de uma súmula a ser publicada, que estabelece que é proibido contratar parentes de autoridades e funcionários para cargos de confiança em todo o serviço público.

Que isto sirva de exemplo em todos os segmentos da sociedade. O que vale é a competência profissional, atestada pelo currículo, e não qualquer simples relação de parentesco.

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

Política e dica no Cinema

Para quem gosta de política, vale a pena conferir "Meu Irmão é Filho Único" (Mio Fratello è Figlio Unico), em cartaz nos circuito cultural em São Paulo.

Fala não só de política, mas de amizade, relacionamentos, família, ideologia. Bom filme.

Transporte em São Paulo

Não há como negar a urgência em se discutir o transporte na cidade de São Paulo. Ainda mais em época de eleição. Nesta semana tem-se falado de um projeto de lei vindo do Executivo que aumentaria o rodízio de veículos e poderia até instituir um pedágio urbano em algumas áreas.

Se pensarmos no enfoque dado aos problemas do transporte pelas últimas gestões municipais, vamos encontrar enormes divergências. De um lado, o modelo da gestão de Maluf e Pitta, que privilegiou sempre a realização de imensas obras públicas, como túneis e viadutos, dando maior atenção ao transporte privado. Afinal, no túnel Ayrton Senna não entra ônibus.

Por outro lado, um enfoque diverso foi dado tanto na gestão Erundina quanto na da Marta. Privilegiou-se claramente o transporte público, com a construção de linhas de ônibus e a melhoria dos mesmos (sem falar do bilhete único).



Nesta gestão Serra-Kassab-Andrea Matarazzo, não se ouviu falar muito de projetos para o transporte municipal. Isso até esta semana, quando, de maneira surpreendente, foi lançado um projeto que deverá tratar não apenas do problema do tráfego, mas também da questão ambiental, através da restrição gradativa e progressiva do uso de automóveis particulares no centro da cidade.

Além de surpreendente, muito interessante. Até porque é difícil chamar a proposta de eleitoreira já que é polêmica demais para ser aceita com facilidade pela população.
Mas o fato é que o transporte público ainda tem que melhorar, e muito, para que uma medida destas seja cabível.

segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Fernando Pessoa - Poema em Linha Reta

POEMA EM LINHA RETA

Nunca conheci quem tivesse levado porrada.
Todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo.

E eu, tantas vezes reles, tantas vezes porco, tantas vezes vil,
Eu tantas vezes irrespondivelmente parasita,
Indesculpavelmente sujo,
Eu, que tantas vezes não tenho tido paciência para tomar banho,
Eu, que tantas vezes tenho sido ridículo, absurdo,
Que tenho enrolado os pés publicamente nos tapetes das etiquetas,
Que tenho sido grotesco, mesquinho, submisso e arrogante,
Que tenho sofrido enxovalhos e calado,
Que quando não tenho calado, tenho sido mais ridículo ainda;
Eu, que tenho sido cômico às criadas de hotel,
Eu, que tenho sentido o piscar de olhos dos moços de fretes,
Eu, que tenho feito vergonhas financeiras, pedido emprestado sem pagar,
Eu, que, quando a hora do soco surgiu, me tenho agachado
Para fora da possibilidade do soco;
Eu, que tenho sofrido a angústia das pequenas coisas ridículas,
Eu verifico que não tenho par nisto tudo neste mundo.

Toda a gente que eu conheço e que fala comigo
Nunca teve um ato ridículo, nunca sofreu enxovalho,
Nunca foi senão príncipe - todos eles príncipes - na vida...

Quem me dera ouvir de alguém a voz humana
Que confessasse não um pecado, mas uma infâmia;
Que contasse, não uma violência, mas uma cobardia!
Não, são todos o Ideal, se os oiço e me falam.
Quem há neste largo mundo que me confesse que uma vez foi vil?
Ó príncipes, meus irmãos,

Arre, estou farto de semideuses!
Onde é que há gente no mundo?

Então sou só eu que é vil e errôneo nesta terra?

Poderão as mulheres não os terem amado,
Podem ter sido traídos - mas ridículos nunca!
E eu, que tenho sido ridículo sem ter sido traído,
Como posso eu falar com os meus superiores sem titubear?
Eu, que venho sido vil, literalmente vil,
Vil no sentido mesquinho e infame da vileza.


Álvaro de Campos


Em alguns momentos nada melhor que um Fernando Pessoa. Aliás, sempre cabe um Fernando Pessoa.

UMA HOMENAGEM AOS HUMILDES e um desagravo aos arrogantes.

terça-feira, 5 de agosto de 2008

Jogos na terra de Confúcio

A cada quatro anos, ouve-se a mesma história: "estes Jogos Olímpicos serão os melhores de todos os tempos, os mais caros, os mais bem organizados, os de maior número de espectadores, etc".

Acontece que na China talvez as coisas não sejam tão simples assim. Afinal, a população absoluta é de 1,3 bilhões de pessoas, e lá convivem 56 etnias diferentes. Diversos são os problemas de superpovoamento, como o alto grau de poluição. Além disso, muitas liberdades individuais ainda estão restringidas.



Ainda assim, espera-se que os Jogos deste ano mantenham o espírito vindo da tradição milenar helênica, por meio da qual, a cada quatro anos, competições esportivas entre as cidades pacificavam o território grego e estabeleciam uma trégua às constantes guerras da época.

Alguns momentos históricos:





domingo, 27 de julho de 2008

Pela justiça




Declaração Universal dos Direitos Humanos:

"Artigo III - Toda pessoa tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal."

"Artigo XII - Ninguém será sujeito a interferências na sua vida privada, na sua família, no seu lar ou na sua correspondência, nem a ataques à sua honra e reputação. Toda pessoa tem direito à proteção da lei contra tais interferências ou ataques."


Constituição da República Federativa do Brasil:

"Artigo 5º, X - São invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação."

Estatuto da Criança e do Adolescente, Brasil:

"Artigo 15 - A criança e o adolescente têm direito à liberdade, ao respeito e à dignidade como pessoas humanas em processo de desenvolvimento e como sujeito de direitos civis, humanos e sociais garantidos na Constituição e nas leis."

"Artigo 17 - O direito ao respeito consiste na inviolabilidade da integridade física, psíquica e moral da criança e do adolescente, abrangendo a preservação da imagem, da identidade, da autonomia, dos valores, idéias e crenças, dos espaços e objetos pessoais."

"Artigo 18 - É dever de todos velar pela dignidade da criança e do adolescente, pondo-os a salvo de qualquer tratamento desumano, violento, aterrorizante, vexatório ou constrangedor."

quarta-feira, 23 de julho de 2008

Foucault - Vigiar e Punir

Nestes últimos dias, tenho pensado muito em Michel Foucault (Vigiar e Punir) e em George Orwell (1984). Penso em câmeras, "big brother", vigilância, punição, violência, ignorância, medo, arbitrariedades, prisões, ditadura, falta de confiança, falta de diálogo, de relação aberta, de verdade, de carinho...



Infelizmente, esta postagem é um desabafo cujos motivos nem todos entenderão...

"Daí o efeito mais importante do Panóptico: induzir no detento um estado consciente e permanente de visibilidade que assegura o funcionamento automático do poder. Fazer com que a vigilância seja permanente em seus efeitos, mesmo se é descontínua em sua ação; que a perfeição do poder tenda a tornar inútil a atualidade de seu exercício; que esse aparelho arquitetural seja uma máquina de criar e sustentar uma relação de poder independente daquele que o exerce; enfim, que os detentos se encontrem presos numa situação de poder de que eles mesmos são os portadores. Para isso, é ao mesmo tempo excessivo e muito pouco que o prisioneiro seja observado sem cessar por um vigia: muito pouco, pois o essencial é que ele se saiba vigiado; excessivo, porque ele não tem necessidade de sê-lo efetivamente". (págs. 166-167, 29ªEd.)

sábado, 19 de julho de 2008

1958

Cinqüenta anos de bossa nova. Cinqüenta anos da primeira conquista brasileira no futebol, paixão nacional.

Está em cartaz nos cinemas o documentário "1958 - O Ano em que o Mundo Descobriu o Brasil". Bom filme, especialmente pelas imagens de lances das partidas e pelos depoimentos de jogadores de todo o Mundo.

Depois do "fracasso" em 1950, criou-se na crônica esportiva uma imagem que o Brasil, apesar de sempre ter um bom time, não teria espírito de time vencedor. Com a vitória espetacular de 1958, o enfoque dado pela crônica passou a ser o inverso em todas as Copas do Mundo a partir de então: o Brasil é o país do futebol, e, se não ganhamos, é porque fomos roubados (como em 1978), porque o técnico era burro (como em 2006) ou por uma grande fatalidade (como em 1982). Talvez a única Copa do Mundo em que se reconhece que o Brasil perdeu porque a outra seleção era superior seja a de 74 (contra a Laranja Mecânica). Ainda assim, coloca-se a culpa no treinador também. A Copa de 1958 inaugurou o ufanismo da crônica esportiva!

Convenhamos: o Brasil sempre montou boas seleções. Mas não há grandes explicações científicas, sociológicas, antropológicas ou até mesmo religiosas para este fato, como muitos gostam de dizer. É simples. Uma questão meramente demográfica: o Brasil é o país de maior população que tem como esporte principal o futebol!! Alguma dúvida?

quarta-feira, 16 de julho de 2008

50 anos de Bossa Nova - parte 2

João Gilberto e Tom Jobim em "Chega de Saudade", um clássico.
Aproveitando, no Parque do Ibirapuera há uma interessante exposição em homenagem aos 50 anos da bossa nova. Confiram !

segunda-feira, 14 de julho de 2008

Sobre dinheiro público e Justiça

Não há muito o que se falar do recente caso sobre a Operação que prendeu semana passada o banqueiro Dantas, o investidor Nahas e o ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta.

A pergunta que não quer calar: Como o assunto chegou tão rápido por duas vezes no STF????

quarta-feira, 9 de julho de 2008

50 anos de Bossa Nova

Nara Leão, a musa da bossa-nova, cantando "Manhã de Carnaval" de Luiz Bonfá em 1988. Música composta em 1959, foi uma das primeiras músicas do movimento a se popularizar em todo o mundo.

quarta-feira, 2 de julho de 2008

"Lei seca"

Sobre a chamada "lei seca" sancionada recentemente que altera o Código de Trânsito, não há muito o que se dizer. Mas parece que as pessoas gostam de mudar o foco e insistem em discutir uma coisa tão óbvia. Não tem discussão! É simples: se você estiver dirirgindo, tome Coca-cola, suco de laranja, café, água com gás, guaraná. Garanto: existem bebidas não-alcoólicas que são uma delícia! Mas se você preferir beber, pegue carona, ande de ônibus, metrô, táxi. Insisto: é muito simples. Será que ninguém entendeu?


sábado, 28 de junho de 2008

O abraço de FHC e Lula


Segue o texto de Eliane Cantanhêde, colunista da "Folha de São Paulo", sobre a imagem do abraço entre os dois presidentes durante o velório de Ruth Cardoso. Uma opinião polêmica, mas que não deixa de ser bem fundamentada e que tenta se utilizar de uma interpretação da História recente do nosso país que não cai em simplificações maniqueístas. Vejamos:



O abraço

Mortes quase sempre geram muita tristeza, tréguas e pausas para pensar, mesmo nas mais conflagradas famílias. Foi o que a morte de Ruth Cardoso produziu, deixando como marca uma foto emocionante sob o ponto de vista humano e emblemática sob o político: a do abraço, em lágrimas, do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e de seu sucessor, Luiz Inácio Lula da Silva.

Um abraço de velhos companheiros, não de atuais adversários, e que não vai mudar a política em nada (principalmente diante das eleições municipais), mas mexeu com corações endurecidos e partidarismos inflexíveis no PT e no PSDB.

Aliados nos tempos do inimigo comum, a ditadura militar, FHC, Lula e seus respectivos grupos e partidos se distanciaram basicamente por diferenças de táticas políticas e de estratégia, aprofundadas ao longo do tempo pela disputa de poder. De aliados passaram a adversários e chegaram a inimigos, capazes de se ferirem cruelmente.

FHC e Lula são o que há de melhor na política brasileira, pela capacidade intelectual de um, a perspicácia do outro, a liderança e a excepcionalidade de ambos. FHC fincou as bases em praticamente todas as áreas para um país muito melhor do que encontrara oito anos antes. Lula pegou o bonde e acelerou.

Os avanços na economia e na gestão, porém, não refletiram em melhorias na prática política nem no refluxo nos escândalos. Os dois, entrincheirados em seus partidos e reféns de suas alianças, conviveram com erros bem parecidos. Mas é justamente por esses erros que se matam uns aos outros. O sujo falando do mal lavado. A diferença é que Lula e os petistas foram implacáveis contra FHC e os tucanos no poder, mas não suportam provar do próprio veneno. Virou uma guerra.

E, se o Brasil bateu no seu teto político com FHC e Lula, o que virá depois? A foto do abraço, tão forte, contundente, remete ao passado, mas não projeta o futuro.



quarta-feira, 25 de junho de 2008

Madama Butterfly - Puccini

No Municipal de São Paulo, teremos nesta semana a bela obra de Puccini, mas os ingressos já estão esgotados.

quarta-feira, 18 de junho de 2008

100 anos da Imigração Japonesa

Homenagem a um dos povos que contribuíram na formação do país. O primeiro navio (Kasato Maru) chegou há exatos 100 anos.

terça-feira, 17 de junho de 2008

Notícias do Exército

Em questão de uma semana, três notícias envolvendo o Exército chamam a atenção. Um tenente entregou três jovens para serem mortos por traficantes em um morro carioca. Um jovem soldado morreu durante intenso treinamento físico. Um sargento que, após declarar ser gay, foi preso e espancado.

Não é a primeira vez que ouvimos falar de erros graves que o Exército comete nas favelas cariocas. Não é a primeira vez que ouvimos falar de erros graves que as Forças Armadas cometeram na História deste país.

quarta-feira, 11 de junho de 2008

Novidades no Processo Penal

Recentemente, foram aprovadas algumas alterações no Código de Processo Penal que têm gerado várias controvérsias entre os estudiosos do Direito e da Sociedade. A maioria das mudanças tem a ver com uma preocupação enorme com a celeridade processual. Destacam-se o fim da possibilidade de pedido de um novo Júri nos casos em que a pena for maior que 20 anos, a audiência única para depoimentos da defesa e acusação e, talvez a alteração mais importante de todas, a invalidação das provas obtidas por meio ilícitos.

Esta última mudança é, sem dúvida, um grande avanço do Legislativo, que resolveu posicionar-se a respeito do tema em definitivo. A prova obtida por meio ilícito não pode ser válida! O projeto ia mais além e propunha que o Juiz que entrasse em contato com a prova ilícita não pudesse mais julgar a questão, o que parece muito correto. No entanto, o Presidente vetou este último dispositivo, considerando que a única intenção da alteração seria a de acelerar o andamento do processo, e causou, desta maneira, grande confusão no texto da lei.

sábado, 7 de junho de 2008

Eurocopa 2008

Segunda mais importante competição futebolística, começa daqui a pouco a Eurocopa, neste ano disputada na Áustria e na Suíça.

Apesar da ausência da forte Inglaterra, o campeonato reunirá (como sempre) grandes equipes e jogadores europeus. Dificílimo de se prever o vencedor. No máximo, alguns favoritos de cada grupo. Vejamos a tabela e façamos os palpites!


Grupo A: Portugal, República Tcheca, Suíça e Turquia
Grupo B: Alemanha, Croácia, Áustria e Polônia
Grupo C: Itália, França, Holanda e Romênia
Grupo D: Espanha, Suécia, Rússia e Grécia


Sábado, 07 de junho
13h00 Suíça x Rep. Tcheca Basiléia
15h45 Portugal x Turquia Genebra

Domingo, 08 de junho
13h00 Áustria x Croácia Viena
15h45 Alemanha x Polônia Klagenfurt

Segunda-feira, 09 de junho
13h00 Romênia x França Zurique
15h45 Holanda x Itália Berna

Terça-feira, 10 de junho
13h00 Espanha x Rússia Innsbruck
15h45 Grécia x Suécia Salzburgo

Quarta-feira, 11 de junho
13h00 Rep. Tcheca x Portugal Genebra
15h45 Suíça x Turquia Basiléia

Quinta-feira, 12 de junho
13h00 Croácia x Alemanha Klagenfurt
15h45 Áustria x Polônia Viena

Sexta-feira, 13 de junho
13h00 Itália x Romênia Zurique
15h45 Holanda x França Berna

Sábado, 14 de junho
13h00 Suécia x Espanha Innsbruck
15h45 Grécia x Rússia Salzburgo

Domingo, 15 de junho
15h45 Suíça x Portugal Basiléia
15h45 Turquia x Rep. Tcheca Genebra

Segunda-feira, 16 de junho
15h45 Polônia x Croácia Klagenfurt
15h45 Áustria x Alemanha Viena

Terça-feira, 17 de junho
15h45 Holanda x Romênia Berna
15h45 França x Itália Zurique

Quarta-feira, 18 de junho
15h45 Grécia x Espanha Salzburgo
15h45 Rússia x Suécia Innsbruck


QUARTAS-DE-FINAL

19/06 (quinta) Jogo 1
15h45 1º Grupo A x 2º Grupo B Basiléia

20/06 (sexta) Jogo 2
15h45 1º Grupo B x 2º Grupo A Viena

21/06 (sábado) Jogo 3
15h45 1º do Grupo C x 2º do Grupo D Basiléia

22/06 (domingo) Jogo 4
15h45 1º do Grupo D x 2º do Grupo C Viena


SEMI-FINAL

25/06 (quarta)
15h45 Jogo 1 x Jogo 2 Basiléia

26/06 (quinta)
15h45 Jogo 3 x Jogo 4 Viena


FINAL
29/06 (domingo) 15h45 Viena

quarta-feira, 4 de junho de 2008

Filosofia e Sociologia obrigatórias

Há alguns anos que se fala no retorno da obrigatoriedade do ensino de Filosofia e Sociologia no Ensino Médio. Nesta semana, enfim, foi sancionada a lei que obriga a inclusão destas disciplinas no currículo de todas as escolas públicas e particulares do país. Uma vitória para muitos intelectuais e estudiosos de Ciências Humanas, que lutaram muito para a aprovação do projeto.

Estudar Filosofia é importante para todas as pessoas. Através dela, desenvolvemos inúmeras habilidades intelectuais, entre as quais o poder de abstração e reflexão, que auxilia no desenvolvimento pleno dos educandos. O ambiente escolar deveria transbordar Filosofia, assim como Artes, Música, Ciências, Esportes...

No entanto, não se sabe até que ponto a inclusão destas disciplinas trará benefícios à educação, já que faltam profissionais qualificados no mercado para atender à demanda. Além disso, e também por causa disso, pode ocorrer uma vulgarização e simplificação do conhecimento filosófico nas escolas. Tendo em vista a péssima qualidade do ensino em geral e a obrigatoriedade de cumprimento de uma maior quantidade de conteúdo, o resultado pode não ser o ideal. As aulas de Filosofia e Sociologia poderão tornar-se uma simples "decoreba" de nomes e teorias que não fazem sentido nenhum, como ocorre com as outras matérias, na maior parte das escolas.

E ir à escola tornar-se-ia cada vez mais chato... algo que não pode acontecer!!!


domingo, 1 de junho de 2008

Ainda sobre a reforma

Ontem assisti a um debate sobre a Reforma Ortográfica na TV. Estavam presentes, entre outros, o estudioso da língua Evanildo Bechara, membro da Academia Brasileira de Letras, e a cantora Fafá de Belém. Interessante perceber que a maioria dos debatedores era favorável à Reforma, ainda que não soubessem exatamente por quê.

Para o autor de uma das Gramáticas mais utilizada no país, a Reforma seria necessária porque a maioria das línguas têm ortografia unificada, como espanhol, italiano, russo, entre outras. No entanto, ninguém citou o caso conhecido da língua universal, o inglês, que tem duas ortografias muito distintas (basta folhear qualquer bom dicionário).

A única debatedora com argumentos lúcidos era a cantora Fafá de Belém, totalmente avessa à inútil mudança. Ainda que não dispusesse de muitos argumentos para se opor aos demais integrantes, soube manifestar a idéia de que a língua é patrimônio do povo. Não pode uma reforma imposta de cima para baixo (que ninguém jamais pediu!) mudar sem grandes razões a maneira pela qual escrevemos.

Afinal, é, para qualquer brasileiro, fácil de entender os livros de Saramago (por exemplo), mesmo na ortografia lusitana. Há grande beleza nas variações lingüísticas, tanto na ortografia quanto na morfossintaxe (que não será alterada). Se o escritor português não mais escreverá "acção" ou "óptimo", continuará escrevendo na sua sintaxe, utilizando-se muito pouco do gerúndio. Ou seja, não haverá uniformização, pois não se pode uniformizar a maneira de se falar ou de se escrever. Muito menos de cima para baixo.

terça-feira, 27 de maio de 2008

Sobre famílias

O plenário da Câmara aprovou semana passada um projeto de lei que autoriza a guarda compartilhada dos filhos de pais separados. O autor da proposta é o ex-deputado Tilden Santiago (PT-MG), que sugeriu a reformulação do Código Civil. O legislador, portanto, regulamenta uma situação que já existe de fato em muitas famílias, nas quais os filhos permanecem sob autoridade de ambos os genitores, que vêm a tomar em conjunto decisões importantes quanto à educação das crianças.

Atualmente, o modelo mais comum determinado pela Justiça é a guarda sob a responsabilidade da mãe, conhecida como guarda dividida, em que os filhos moram com um dos pais, mas recebem a visita do outro. Com a nova lei, a tendência é de que tal situação mude, já que muitos acreditam que a guarda compartilhada poderá trazer grandes benefícios na educação das crianças. Afinal, o contato próximo e regular possibilita o acompanhamento dos adultos no desenvolvimento do filho. Além disso, muitos entendem que a guarda compartilhada promove um sentimento de segurança na criança, quando os pais, apesar de separados, vivem em sintonia, ou procuram fazê-lo.

Aproveitando o tema, podemos fazer uma reflexão maior sobre a diversificação e complexidade das relações familiares na atualidade. Embora saibamos que as mudanças na sociedade nem sempre são acompanhadas com a mesma dinâmica pela legislação, muitas questões sobre Família estão sendo contempladas pelo legislador. O que se percebe, por outro lado, é que os membros do Judiciário demonstram grande conservadorismo e falta de dinamismo nos assuntos de Direito de Família. As decisões dos magistrados, salvo raras exceções, parecem estar (e realmente estão) distantes da realidade social.

Ocorre que há uma tendência nas decisões sobre guarda e tutela que privilegia sempre a família biológica da criança, fazendo com que a idéia de um modelo de família nuclear seja preservada inconseqüentemente, embora a legislação já não se preocupe mais tanto com esta questão. Afinal, este modelo de família não é mais uma constante, nem mesmo uma segurança no que tange os interesses da criança, fato observado em todas as classes sociais. Há casos, e não são raros, em que uma família adotiva, uma família substituta ou até mesmo uma entidade assistencial trazem benefícios maiores à educação da criança do que a permanência desta em sua família de origem.

sábado, 24 de maio de 2008

1968 - parte 2

Mais vídeos deste ano marcante:





terça-feira, 20 de maio de 2008

Einstein ateu

Uma carta inédita de Albert Einstein datada de 1954, ano anterior ao de sua morte, traz pela primeira vez críticas contundentes do físico à religião. Até então os historiadores não tinham uma certeza sobre a visão religiosa do físico, um dos maiores cientistas do século. Vejamos alguns trechos da carta:

"a palavra Deus é para mim nada mais do que expressão e produto da fraqueza humana"

"a Bíblia é uma coleção de lendas honoráveis, ainda que primitivas"

"a crença em Deus é produto da fraqueza humana"

"A religião judaica, como todas as outras religiões, é uma encarnação das superstições mais infantis."

Comentários?

sábado, 17 de maio de 2008

1968 - parte 1

Neste mês, muitos estão comemorando e repensando os acontecimentos de 1968. Ano de grandes manifestações políticas e culturais por todo o mundo, todas com base na liberdade de expressão, na tolerância ao diferente e às minorias. Buscava-se uma verdadeira revolução na sociedade e nos costumes. Momento marcante do século XX. O ano que "não acabou". Vejamos:




segunda-feira, 12 de maio de 2008

Nova Língua Portuguesa

Nem o caso Isabela, nem o novo choque do petróleo, nem os desastres naturais no Mianmar. A notícia que mais me chocou nos últimos dias foi a seguinte: "A partir de 2010 os livros didáticos brasileiros já se adequarão à nova ortografia". Isso quer dizer que o acordo entre os países de língua portuguesa que tenta uniformizar a ortografia da língua entrará mesmo em vigor.

Será mesmo possível? Afinal, entre outras inutilidades propostas, será extinto o trema, sinal ortográfico de grande importância. O mais curioso é que não vi nenhum intelectual, jornalista ou artista manifestar-se a respeito!!

A justificativa para esta alteração é que a lingua portuguesa tornar-se-ia mais forte se uniformizada entre todos os países. Idéia errada, ou melhor, "ideia" errada (para atender à nova ortografia). É só notarmos que a língua universal hoje é o inglês, cujas variações são enormes, dependendo do país.

quarta-feira, 7 de maio de 2008

1808


Neste ano, comemoram-se 200 anos da vinda da família real portuguesa ao Brasil, episódio de inegável importância histórica. Daí o grande número de publicações a respeito que vemos nas livrarias e bancas de revista por todo o país.

Muito fala-se a respeito do livro "1808", do jornalista paranaense Laurentino Gomes, que está há várias semanas nas listas de mais vendidos. Parece ser uma boa opção para quem quer descobrir mais a respeito da sociedade brasileira há 200 anos, apesar de alguns historiadores rejeitarem-no. Algumas críticas que foram colocadas dizem respeito à utilização de algumas fontes não muito fidedignas na pesquisa do autor (Wikipedia, inclusive). Além do que, para alguns não chega a ser uma obra de grande rigor científico.

Todas essas ressalvas, entretanto, são feitas pelo autor no início da obra, e não tiram as qualidades da pesquisa desenvolvida, nem o modo interessante de ser exposta. Livros como este merecem sucesso porque despertam o interesse do grande público em História sem cair em grandes imprecisões ou polêmicas desnecessárias.

quarta-feira, 30 de abril de 2008

Virada Cultural

Na noite de sábado, eu fui ao centro da cidade. Em poucas horas, ouvi rock, reggae, samba, vi performances teatrais e circenses, vi um bloco tocando e dançando maracatu, vi um grupo de capoeira, vi um pouco do show do Zé Ramalho, vi gente de todas as cores, idades e tribos. Vi a verdadeira São Paulo: a metrópole de maior diversidade étnica e cultural do mundo. Pena que toda essa efervescência cultural não se manifeste diariamente. Ou será que ela se manifesta mas ninguém nota?

sábado, 26 de abril de 2008

Leo Minosa e a menina Isabella

Em uma coluna publicada no Estadão nesta quinta-feira, o jornalista Eugênio Bucci discute todo o sensacionalismo criado em torno do "caso Isabella". Para tanto, remete a um clássico do cinema: A Montanha dos Sete Abutres (Ace in the Hole), de Billy Wilder. O filme conta a história de um homem (Leo Minosa) que fica preso dentro de uma caverna. Um jornalista (Charles Tatum) aproveita-se da situação para criar uma atmosfera de comoção e lucrar com a reportagem.



Um caso como este da menina Isabella mantém-se nas primeiras páginas dos jornais e como sendo assunto principal das rodas de conversa durante mais de mês, por quê? É a imprensa que escolhe e alimenta uma temática sensacionalista, ou há um real e legítimo interesse público? Ou ambos? É um debate interessante.

domingo, 20 de abril de 2008

Antes do choque-rei

Palmeiras e São Paulo devem fazer daqui a pouco um clássico muito interessante, valendo pela semi-final do Paulista. Mesmo jogando pelo empate, o time do Morumbi não é favorito, já que o Palmeiras demonstrou durante o campeonato ser uma equipe bem mais completa. O que pode atrapalhar o alvi-verde é a forma física de Valdívia, desgastado pelas entradas que sofreu no primeiro jogo, e as condições ruins do gramado do Palestra. Eu, se fosse o Luxa, não colocaria o "Mago" em campo no primeiro tempo, e entraria com Lenny aberto na ponta para surpreender.

Chamou minha atenção a coluna de Ugo Giorgetti no Estadão de hoje, na qual ele demostra por que a rivalidade entre as duas equipes que hoje se enfrentam é com certeza a maior da cidade. É uma forte crítica às diretorias, que alimentam um antagonismo de mais de sessenta anos -remetendo à época da Segunda Guerra. Em verdade, pode não parecer, mas falar do clássico de hoje é também falar sobre a sociedade e a história paulistana.

Bom jogo a todos!

quarta-feira, 16 de abril de 2008

Fuso Horário

Está em trâmite no Congresso uma proposta de alteração do fuso-horário brasileiro. Seria ótimo. Afinal, não se explica que o Acre e um pedaço do Amazonas tenham de estar em um outro fuso-horário. Tampouco se explica que o Pará tenha dois horários diferentes, como vemos no mapa abaixo. Tais discrepâncias não deverão continuar.


Ocorre que a grande motivação encontrada pelos parlamentares para discutir o assunto é, pasmem, um "lobby" feito por emissoras de TV. O problema todo foi a censura colocada contra algumas novelas da Globo, que eram transmitidas em rede nacional, e portanto em horário não apropriado para os que não estão no fuso-horário de Brasília. É exagero dizer: há males que vêm para o bem!?

segunda-feira, 14 de abril de 2008

Bom filme

O novo filme do diretor Denys Arcand, o mesmo de "Invasões Bárbaras" é "A Era da Inocência" (L`Âge de Ténèbres - Canadá/2007). Em alguns momentos lembra o premiado Beleza Americana, de Sam Mendes. Trata-se da história de um funcionário público de meia-idade que tenta escapar do tédio da realidade sonhando ser um homem de sucesso cercado de mulheres. Ele tem de lidar com seu emprego decepcionante e sua vida familiar fracassada. Ao mesmo tempo, aproveita para criticar a burocracia e as leis de Quebec e, principalmente, os modismos sem sentido da sociedade contemporânea. Vale a pena conferir!

sábado, 12 de abril de 2008

Futebol

Champions League:
Foram muito interessantes os confrontos das quartas-de-final. Barcelona e Chelsea podem até ter dominado as suas partidas, mas tiveram muito trabalho para chegarem à semifinal. Sobretudo pelo bom desempenho da defesa do Schalke 04 e pela personalidade do time turco comandado por Zico, que tentou jogar de igual para igual as duas partidas contra os ingleses.

Já o Manchester de Alex Ferguson não teve grandes dificuldades para eliminar a Roma desfalcada de Totti. Para isso, jogou com uma linha de três atacantes na frente marcando a saída de bola durante os 180 minutos, e dificultando a descida dos laterais italianos, uma das poucas jogadas ofensivas que restaria ao time de Roma. Forte candidato ao título, o time de Cristiano Ronaldo: seguro em todos os setores do campo, e cheio de jogadores de alto nível.

No confronto mais interessante e emocionante, o Liverpool demonstrou ter realmente uma "camisa forte". Conseguiu uma vitória histórica por 4 a 2 contra o Arsenal, num jogo bastante equilibrado e com diversas alternativas.

Vamos aguardar as semifinais agora em abril, e a grande final dia 21 de maio na Rússia!



Libertadores da América:
Nas próximas semanas, teremos algumas partidas decisivas da primeira fase. O maior destaque vai para o atual campeão e favorito ao título Boca Juniors, que corre o risco de ser eliminado precocemente. Para se garantir na próxima fase tem de vencer em casa de goleada o fraco União Maracaibo. Também preocupam-se os torcedores de Santos e São Paulo, equipes que devem ganhar seus últimos jogos em casa contra duas boas equipes colombianas para continuar na competição.

segunda-feira, 7 de abril de 2008

Terceiro mandato

Fala-se que o nosso Presidente teria condições e apoio popular para tentar um inconstitucional terceiro mandato. Apesar de ele negar reiteradamente, até o vice José Alencar tocou no assunto. Uma das justificativas para o golpe seria a de que FHC anteriormente conseguira alterar a Constituição para tentar a reeleição.

Há quem diga até que o governo não está se importando muito com a queda de popularidade de Dilma Roussef (se é que ela tinha alguma) após essa história de dossiê. Seria uma amostra de que não haveria sucessor na ala governista para Lula (como realmente não há, com exceção talvez de Suplicy, um dos poucos que manteve uma imagem de político honesto). Assim, alguns analistas acreditam que o governo espera um novo movimento "queremista" em torno do nome de Lula. Difícil para quem tem pouco mais de 50 por cento de aprovação. Longe de ser uma unanimidade.

quinta-feira, 3 de abril de 2008

Heavy Metal no Palestra

Há cerca de um mês, o estádio Palestra Itália recebeu uma das mais importantes bandas de Heavy Metal da História. Os ingleses do Iron Maiden fizeram um show que agradou muito os fãs. Agora, será a vez do chamado "Príncipe das Trevas" Ozzy Osbourne, que não vinha ao Brasil há 13 anos.

domingo, 30 de março de 2008

Verdi em São Paulo

Duas óperas de Giuseppe Verdi serão encenadas em São Paulo nestes dias. O Teatro São Pedro começa hoje sua temporada lírica com "La Traviata", uma das óperas mais conhecidas e encenadas do autor. Enquanto isso, daqui a duas semanas, o Teatro Municipal terá a encenação de "Falstaff", última obra de Verdi, e, embora não tão conhecida, considerada por alguns críticos a de maior excelência musical. A boa notícia é que os ingressos são populares!

quinta-feira, 27 de março de 2008

Remuneração por Desempenho

Não há necessidade de se colocar aqui os números recentes das avaliações feitas pelo governo que dizem respeito à qualidade da educação básica pública. Todos já sabem dos números desastrosos.

Alternativas estão sendo estudadas na Secretaria de Educação do Estado de São Paulo para que este problema seja ao menos atenuado. Uma delas é a remuneração por desempenho, que propõe dar bônus no salário dos professores de cujo colégio tiver melhores notas nos exames feitos pelo governo.

Algumas questões a serem colocadas:
1) O estímulo principal para maior desempenho e dedicação dos professores deve ser uma mera gratificação material? A própria carreira da docência não deveria ser o maior estímulo para uma maior dedicação a ela?
2) A formação dos alunos pode estar restrita a uma preparação para os testes de conhecimento?
3) Até que ponto tais exames retratam a qualidade dos professores e do ensino? Será que as avaliações conseguem dar conta da complexidade do fenômeno educacional?
4) Que tal uma ampla campanha em prol da valorização incondicional do profissional da educação pública? Isso inclui uma revisão de planos de carreira e não simples gratificações.

sábado, 22 de março de 2008

Lula, FHC e o IGF

A proposta de reforma tributária enviada pelo governo ao Congresso Nacional inclui a criação do já citado neste blog há alguns meses Imposto sobre Grandes Fortunas. É um imposto previsto na Constituição Federal, mas que ainda não foi criado desde a promulgação da Constituição em 1988. Várias tentativas foram feitas, inclusive um projeto de lei de Fernando Henrique Cardoso da época em que foi senador.

Nesta semana, o ex-presidente FHC comentou que não é mais favorável à criação do referido imposto, já que considera que os donos de grandes fortunas conseguiriam se livrar do seu pagamento enviando parte de seu patrimônio a países conhecidos como "paraísos fiscais". Para ele, o ideal seria, como também já proposto pelo senador Cristovam Buarque quando candidato a presidente, um rigoroso Imposto sobre Herança.

Debate interessante!

Caos no trânsito de São Paulo

O trânsito da cidade de São Paulo está cada dia mais insuportável. Em ano de eleição, talvez este tema seja um dos principais a serem colocados em pauta pelos candidatos. É verdade que não pode ser um tema predominante, em detrimento de outros, tais como saúde, educação, políticas públicas, segurança ou saneamento básico. Mas passar horas todo dia no trânsito prejudica a vida de todos os paulistanos.




A vereadora Soninha, pré-candidata à prefeitura pelo PPS, pronunciou-se de maneira muito lúcida sobre este tema, elogiando algumas medidas já tomadas nas últimas duas gestões e propondo novas. São trechos de uma entrevista que ela deu nesta semana:


"É preciso melhorar o modo como a cidade é ocupada. Hoje você tem um número de viagens forçadas que é inadministrável. O melhor sistema de transporte do mundo não dá conta desse êxodo diário de quem precisa sair dos bairros que são quase dormitórios ou das cidades da região metropolitana para vir trabalhar na região central da cidade. É preciso melhorar essa distribuição de gente e de trabalho no território. Ou seja, trazer mais gente para morar na região central. Pode parecer que não tem espaço, mas quando você treina o olho, você descobre que tem espaço. Tem terreno subaproveitado, e prédio deteriorado. E é preciso criar trabalho, investir no desenvolvimento das regiões mais afastadas do centro também."


"A Marta fez um trabalho muito bom na área de transporte. O bilhete único é uma revolução, combinado com a criação de mais corredores e terminais. O corredor, como foi implantado na gestão Marta, não é só uma pista segregada, mas uma nova filosofia de integração das linhas. Tem as linhas alimentadoras, que fazem o percurso dos bairros e trazem as pessoas para os terminais, onde existe a linha-tronco que pega o corredor e vai para o centro. Isso é possível com o bilhete único. As pessoas não vão ficar trocando de ônibus se tiver que pagar R$ 2,30 cada vez que embarcam. A combinação das duas coisas é sensacional."


"Faltou racionalizar melhor as linhas, os trajetos. Hoje em dia você tem congestionamento no corredor de ônibus, tem ônibus demais. Parece que a solução para o transporte coletivo é ter mais ônibus. A solução, em alguns lugares, é ter menos ônibus, para ele ter mais partidas e andar mais rápido."


"O investimento em circulação de pedestres é muito deficiente. Segundo as últimas pesquisas de origem e destino, um terço das viagens em São Paulo é feita a pé. E os pedestres são muito maltratados. Pensa na vida de um pedestre que quer ir de um lado para o outro da marginal para pegar um trem. É infernal. Muitas coisas foram deixadas de lado. A integração melhor de carros com o sistema coletivo. Você que quer ir de carro até a estação de metrô tem a maior dificuldade para parar. Política de estacionamento avançou muito pouco. As pessoas deixaram de estudar melhor mais restrições ao automóvel, que os técnicos defendem há muito tempo, e os políticos não querem nem pensar em falar, porque é impopular. Mas você está falando de um espaço que é escasso, se é escasso é caro, então, você tem que ocupar esse espaço da melhor maneira possível. O espaço público que o automóvel ocupa é irracional e injusto. É uma pessoa ocupando um espaço imenso."

terça-feira, 18 de março de 2008

Guerra Fria e Carosone

Encontrei no Youtube este vídeo de 1958. É de um conjunto napolitano liderado por Renato Carosone que foi muito popular na época. É o auge da Guerra Fria e os EUA buscam manter sua influência nos países ocidentais. Carosone vê um italiano que começa a agir como americano...