domingo, 4 de abril de 2010

Para levantar polêmica

Em plena semana santa, vamos falar de religião. Como foi lançado recentemente o livro de Saramago, "Caim", é hora também de se estudar o Antigo Testamento. Aliás, para iniciar a polêmica, alguém que já começou a ler a Bíblia alguma vez com calma tem ainda coragem de acreditar que aquilo foi escrito por Deus? É nítida a falta de coesão entre os fragmentos. Algumas passagens se repetem e outras chegam a ser conflitantes. Nem precisa ir muito longe. Basta ler o Gênesis.

Já em meados do século XVIII se percebeu que as duas denominações de Deus que aparecem na Bíblia (Elohim é citado em torno de 2500 vezes, ao passo que Jeová é citado cerca de 7000) podiam corresponder a materiais de épocas e origens diferentes.

Atualmente, análises científicas aceitam a existência de quatro grandes tradições que compõem o Antigo Testamento: a Javista, datada dos séculos X-IX a. C., e que nomeia Deus como Jeová, a Eloísta, do século VIII a. C., e que nomeia Deus como Elohim, a Deuteronomista, do século VI a. C., e, por fim, a Sacerdotal, do século V a. C., criando uma série de relatos diferentes, que são por vezes inconciliáveis.

Não se quer desmerecer a tradição judaico-cristã, e muito menos seus ensinamentos valiosos, sobretudo no campo da ética. Mas ler a Bíblia só nos faz pensar que sua origem é humana, demasiadamente humana.

3 comentários:

Camila Rodrigues disse...

Ah, Saramago falando de catolicismo é demais para meu estômago! Eu não gosto, nunca...
Sobre acreditar ou não na idéia de que Biblia teria sido escrita por Deus, eu levando uma questão anterior: Por que Deus teria que escrever alguma coisa?
Arrogância demais, não acha?!

felício disse...

é verdade vc tem razão.. nada a ver né?

lucas disse...

Amém