sábado, 14 de agosto de 2010

Richard Dawkins e o "Movimento Bright"


Quem não leu ainda o livro de divulgação do biólogo e cientista de Oxford Richard Dawkins, "Deus, um Delírio", precisa pelo menos se informar a respeito. É uma das principais obras atuais a respeito de religião. O autor toma uma posição clara a favor do ateísmo, mas sem deixar de fazer uma discussão ampla sobre religião, levando em conta aspectos filosóficos e sociológicos.

Religião é um assunto milenar e que concerne a todos. Contudo, surgiu com uma intensidade maior no pós-Guerra Fria. Afinal, o século XX foi a época dos grandes antagonismos entre sistemas políticos e econômicos, marcado por embates entre totalitarismo "versus" democracia, e socialismo "versus" capitalismo.

Com a vitória do modelo norte-americano liberal, os confrontos do século XXI estão permeados de questões que dizem respeito às diferenças religiosas, e sobretudo ao fundamentalismo. Momento, sim, de se discutir religião. O livro critica o medo que há difundido entre as pessoas de se criticar quaisquer posturas religiosas.

Em lugar de uma perspectiva negativista, Dawkins propõe que todos tenham um novo olhar sobre o ponto de vista ateísta. Para ele, "o mundo e o universo são lugares extremamente belos, e quanto mais os compreendemos mais belos eles parecem."

Na mesma linha de pensamento, surgiu também há alguns anos nos EUA um movimento ateísta chamado "Brights Movement". A idéia foi de criar uma nova denominação, tendo em vista que termos como "ateu", "materialista" e "cético" têm caráter sempre pejorativo. Daí a idéia de serem chamados de "brights". Seria interessante que mesmo os teístas convictos conhecessem os seus argumentos.

2 comentários:

Camila Rodrigues disse...

Interessante, Alê, para quando eu tiver um tempinho...grande beijo e saudade muita!
Ca

Dan disse...

Oi Alê,

Ainda não li, mas fiquei curioso.

Abraços